Notícias

Notícias

‘Capacitar Turismo’ regressa no próximo trimestre

Estão abertas as inscrições para a ação  ‘Capacitar Turismo’ no Tâmega e Sousa, a qual disponibiliza formações em Inglês Técnico e Espanhol Técnico, destinadas a profissionais de Hotelaria, Restauração, Turismo e Lazer e cujo início está previsto para outubro de 2022.

A iniciativa,  a decorrer no Centro de Interpretação do Românico, tem como principais objetivos a qualificação dos profissionais do turismo e, consequentemente, a promoção de maiores índices de qualidade deste setor na região.

Estas ações de capacitação são promovidas pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, em parceria com a Associação de Municípios do Vale do Sousa, através da Rota do Românico, e a Escola de Hotelaria e Turismo do Porto. Inserem-se no Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, cofinanciado pelo Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu.

CRONOGRAMA

Notícias

Parceiros do projeto DigiBEST reuniram para preparar fase de implementação de ações

O DigiBEST – Digital Business EcoSystem Transformation, um projeto europeu na área da promoção da competitividade das PME através da sua transformação digital, chegou ao final da primeira fase, uma meta que motivou uma reunião presencial de parceiros, para apresentação de planos de ação futura. 

O Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, enquanto stakeholder do projeto, marcou presença nesta reunião que aconteceu em Itália, de 30 de junho a 1 de julho.

A conclusão da primeira fase do projeto, integralmente dedicada à partilha de experiências e boas práticas de digitalização nas empresas, acontece três anos após o seu início. A segunda fase do projeto, de implementação, terá início em agosto deste ano e estende-se a julho de 2023. 

Os planos apresentados na reunião visam a promoção da digitalização e competitividade das PME dos territórios abrangidos pelo projeto. Paralelamente, pretende-se responder aos constrangimentos já identificados por empresas e parceiros.

Este projeto, que integra seis países, é cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e pelo Governo da Noruega, através do programa INTERREG EUROPE.

Notícias

Formações em Inglês e Espanhol Técnico iniciam a partir de junho

O arranque das formações em Inglês Técnico e Espanhol Técnico, enquadradas na ação ‘Capacitar Turismo’ no Tâmega e Sousa está previsto para junho e setembro de 2022, respetivamente.

Estas formações são orientadas para profissionais das áreas de Hotelaria e Restauração e de Turismo e Lazer e são promovidas pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa em parceria com a Associação de Municípios do Vale do Sousa, através da Rota do Românico, e a Escola de Hotelaria e Turismo do Porto.

Local: Centro Interpretativo da Rota do Românico

CRONOGRAMA

Os objetivos da iniciativa centram-se na qualificação dos profissionais do turismo e, consequentemente, na promoção de maiores índices de qualidade deste setor na região.

As ações de capacitação inserem-se no Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, cofinanciado pelo Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu.

FPME 2.0, Notícias

FPME 2.0: ‘A formação e o repensar de competências e aptidões são absolutamente essenciais’

Sem as pessoas, o fator crítico para qualquer organização e, de uma forma mais ampla, para a estratégia de desenvolvimento da economia, da sociedade e dos territórios, não será possível trilhar um caminho para a recuperação que urge. 

Trata-se de um desafio que nos convoca a todos, em particular face a constrangimentos estruturais que temos pela frente, como é o caso da demografia e das assimetrias regionais que a mesma provoca. Por isso, considero fundamental o foco nas pessoas, na valorização das suas competências, no abrir de horizontes e de oportunidades, no despertar das vontades dos empreendedores e na sua capacitação para aspetos fundamentais para o sucesso empresarial. 

Neste quadro, a AEP defende que as estruturas de apoio às empresas, como são os Conselhos Empresariais Regionais, têm um papel fundamental, dada a/devido à sua capacidade de intervenção de proximidade nos territórios. Matérias como a formação, a (re)qualificação e o repensar de competências e aptidões para um mercado de trabalho em contínua transformação e com crescentes exigências, são absolutamente essenciais. 

Foi a pensar na capacitação destas estruturas e das empresas da respetiva região, por forma a contribuir para que os desafios que a economia e o país enfrentam possam ser superados com sucesso, que a AEP apostou no modelo de Formação-Ação, que contempla a aprendizagem em contexto organizacional, que mobiliza e internaliza competências com vista à persecução de resultados assentes numa estratégia de mudança empresarial e que tem obtido resultados francamente positivos, constituindo-se uma referência a nível nacional. 

Desta forma, e em parceria com as associações empresariais, como é o caso Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, promovemos intervenções que visam o reforço das qualificações de uma forma muito pragmática, através de ações que informam as empresas, por forma a assegurar ganhos efetivos de competitividade. 

Por todas estas caraterísticas e pela forma como se atua na valorização das pessoas, do seu espírito empreendedor e das suas competências, é importante que os sistemas de apoio públicos continuem a estar atentos a iniciativas como esta, face à demonstração da valia deste programa que, aliás, deveria ser replicada noutros domínios. 

Luís Miguel Ribeiro 

Presidente da Associação Empresarial de Portugal


O FPME 2.0 é promovido pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, apoiado pela Associação Empresarial de Portugal (AEP), sendo cofinanciado pelo Compete 2020, Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu. 
Notícias

CETS integra o Conselho Consultivo da ESTG

O Presidente do Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa (CETS), Emídio Monteiro, foi uma das individualidades que tomou posse como membro do Conselho Consultivo da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Politécnico do Porto (P.PORTO).

O órgão é constituído por 17 pessoas, sendo seis delas oriundas de entidades externas, como é o caso do CETS.

“É com grande satisfação que integro este órgão, em representação do CETS e por meio da relação que as nossas entidades têm firmado e das atividades desenvolvidas em parceria, as quais desejo que se estendam ao longo do tempo, com vista a projetos eficazes de desenvolvimento da região”, sublinha o presidente Emídio Monteiro.


Constituição do Conselho Consultivo da ESTG: 

Presidente: Dorabela Gamboa 

Presidente do Conselho Técnico-Científico: Amélia Carvalho

Presidente do Conselho Pedagógico: Teresa Barros

Presidente da Associação de Estudantes: Hugo Leal

Representante dos funcionários não docentes e não investigadores: Filipe Ferrás

Diretores dos Departamentos: Vítor Braga, Ricardo Santos, Ana Borges, Maria João Machado, Paulo Laranjeira.  

Representantes de organizações profissionais, de organizações empresariais e de outras instituições ou empresas, relacionadas com a atividade da ESTG:

Presidente da Câmara Municipal de Felgueiras: Nuno Fonseca

Presidente do Conselho Intermunicipal do Tâmega e Sousa: Pedro Machado

Presidente do Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa: Emídio Monteiro

Diretor Regional do Norte do IPDJ: Vitor Dias

Delegada Regional do Norte no IEFP: Carla do Vale

Presidente da AEP: Luís Miguel Ribeiro

Fotografia: ESTG

FPME 2.0, Notícias

FPME2.0: ‘Uma intervenção qualificante muito significativa do ponto de vista territorial’

O CESAE Digital, em parceria com o Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa (CETS) e através do Organismo Intermédio AEP, está a promover um projeto de consultoria formativa em 200 micros, pequenas e médias empresas. Este projeto assenta numa intervenção localizada nas empresas e dirigida a empresários e colaboradores em áreas de intervenção previamente identificadas e através de metodologias de planeamento de projetos por objetivos. 

Com esta intervenção pretende-se uma melhoria reorganizacional das empresas, das suas capacidades de gestão, do reforço das competências dos trabalhadores, apoiada na temática alvo de intervenção. 

O processo assenta num levantamento das necessidades formativas das empresas e o seu enquadramento nas temáticas alvo de intervenção – Economia Digital, Internacionalização; Gestão da Inovação, Implementação de Sistemas de Gestão (Qualidade, Ambiente, SST ou outros), Gestão Comercial e Marketing e Indústria 4.0. 

Na fase seguinte, e sempre nas instalações da empresa, decorrem as intervenções, consultoria – diagnóstico, implementação do plano de desenvolvimento das medidas, a avaliação e formação aos colaboradores da empresa nas áreas identificadas como relevantes para cada empresa. 

Os projetos são transversais. Todas as áreas económicas (CAE) são objeto de intervenção, pretendendo-se promover o aumento da produtividade das empresas e acrescer a sua capacidade competitiva. Ao nível dos trabalhadores, queremos aumentar a sua qualificação nos domínios a intervencionar e suscitar uma maior sensibilização para as alterações que os mercados impõem. 

Este projeto também promove, em termos globais da empresa, ações de dinamização e intercâmbio de boas práticas. 

A parceria com o Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa tem sido profícua e permitiu o envolvimento de empresas da Região Norte nos mais diversos setores de atividade económica, abrangendo 1200 trabalhadores e cerca de 100 consultores e formadores a intervir de forma ativa e contínua nas mesmas. 

Esta é uma intervenção qualificante muito significativa do ponto de vista territorial, com impactos empresariais significativos na melhoria dos contextos de trabalho e dos negócios associados e na qualificação dos seus ativos. 

Luís Manuel Ribeiro 

Presidente do Conselho de Administração do CESAE Digital

O FPME 2.0 é promovido pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, apoiado pela Associação Empresarial de Portugal (AEP), sendo cofinanciado pelo Compete 2020, Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu. 
FPME 2.0, Notícias

FPME 2.0: ‘Uma oportunidade para melhorar estratégias de negócio’

O ‘Formação-Ação PME2.0 (FPME 2.0) – Faz das Pequenas, Grandes Empresas’ é um projeto que visa apoiar as pequenas e médias empresas da Região Norte em processos de reforço de competências, o que ganha especial relevância na atual fase de normalização e retoma progressiva da atividade económica. 

Ao longo dos últimos dois anos, foi possível consolidar um projeto lançado em 2017 e que ganhou em 2020 novo impulso, ao envolver cerca de 200 empresas da região. Com o apoio vital da Associação Empresarial de Portugal e dos demais organismos financiadores, que acreditaram uma vez mais no projeto, o Conselho Empresarial tem conseguido apoiar mais empresas e reforçar a efetiva ajuda à readaptação dos negócios. 

As exigências impostas pela pandemia, pelos mercados voláteis e desafios de um mundo cada vez mais global, acelerado e digital, trouxeram novas condicionantes aos negócios, mas também oportunidades. E o FPME 2.0 é, de facto, uma oportunidade. Para adquirir novas ferramentas, melhorar skills, estratégias de negócio e atualizar conhecimento. Porque, afinal, a qualificação e a formação ajustada às reais necessidades das empresas, são premissas essenciais a uma melhoria contínua da capacidade competitiva destas, em prol de um crescimento mais sustentado. 

Emídio Monteiro 

Presidente do Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa

O FPME 2.0 é promovido pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, apoiado pela Associação Empresarial de Portugal (AEP), sendo cofinanciado pelo Compete 2020, Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu. 
Notícias

CETS e CH Business Consulting promoveram sessão informativa sobre o SIFIDE

O ‘SIFIDE – Sistema de Incentivos Fiscais à Investigação e Desenvolvimento Empresarial’ foi o tema em destaque num webinar que decorreu durante a manhã de quinta-feira, dia 29 de abril.

A sessão informativa foi promovida pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa (CETS), em parceria com a CH Business Consulting e dirigiu-se a todos os empresários interessados.

O Presidente do CETS, Emídio Monteiro, deu início aos trabalhos com uma mensagem de boas-vindas aos participantes, na qual evidenciou a importância de momentos de esclarecimento e de partilha de informação credível que beneficie a comunidade empresarial da Região do Tâmega Sousa.

“É intenção do Conselho Empresarial apoiar as empresas, quer em projetos que lhe sejam dirigidos – e que vão ao encontro das suas necessidades e preocupações – quer em fomentar, promover e apoiar ferramentas de informação credível. Com esta sessão, em formato online, pretende-se criar um momento de esclarecimento e de partilha, facilitando o acesso ao financiamento e fomentando e auxiliando estratégias de crescimento empresarial”, sublinhou.

Notícias

Tâmega e Sousa: Roteiro turístico especial para a Páscoa

Nesta Páscoa 2022, o CETS apresenta sugestões do que visitar e degustar. A região do Tâmega e Sousa é rica em património religioso e cultural, tendo vários monumentos de interesse. A gastronomia é também um fator forte deste território, com pratos e doces diversificados. Por isto e muito mais, vale a pena aproveitar uns dias em família por cá.

Deixamos abaixo algumas dicas do que fazer em Resende, Cinfães, Baião, Marco de Canaveses, Castelo de Paiva, Penafiel, Paços de Ferreira, Lousada, Celorico de Basto, Amarante e Felgueiras.

Bons passeios!


Resende

Se visitar Resende, conheça a Igreja de São Martinho de Mouros, monumento nacional desde 1922. Não saia deste concelho sem experimentar o seu doce mais afamado: as Cavacas.


Cinfães

Se visitar Cinfães, conheça a Igreja de Santa Maria Maior de Tarouquela, que foi um mosteiro de monjas beneditinas até ao século XVI. Aproveite para adoçar o seu dia com os Bolos de Manteiga.


Baião

Se visitar Baião, conheça o Mosteiro de Santo André de Ancede, cuja primeira referência conhecida é de 1120. Se é apreciador de fumeiro, então está no sítio certo pois, em Baião, esta é uma iguaria de excelência.


Marco de Canaveses

Se visitar Marco de Canaveses, conheça a Capela da Senhora da Livração de Fandinhães, templo “misterioso” de fundação medieval. No que toca a gastronomia, comer anho assado no Marco é quase obrigatório.


Castelo de Paiva

Se visitar Castelo de Paiva, aproveite para conhecer o Marmoiral de Sobrado, um dos monumentos que marca a passagem do cortejo fúnebre da Rainha Sta. Mafalda, com destino ao Mosteiro de Arouca, e que perpetua a sua memória. O Pão de Ló de Serradelo é a iguaria perfeita para provar durante a passagem por este concelho.


Penafiel

Se visitar Penafiel, a Igreja de São Miguel de Entre-os-Rios é um bom ponto de passagem, para conhecimento da sua história, arquitetura e segredos. A nível gastronómico, já ouviu falar nas Broinhas de Amêndoa e Coco? Se apreciar um bom docinho, o melhor é mesmo experimentar!


Paços de Ferreira

Em Paços de Ferreira, visite o Mosteiro de São Pedro de Ferreira, considerado um dos mais expressivos monumentos do românico português. Qualquer experiência neste concelho fica mais completa ao sentar à mesa e degustar um Capão à Freamunde.


Lousada

Se visitar Lousada, conheça melhor a Igreja do Salvador de Aveleda, cuja fundação remonta aos séculos XI ou XII. Para saborear, fica o conselho a provar o Sarrabulho Doce, que em 2019 foi considerado o 3.º Doce Maravilha no distrito do Porto.


Celorico de Basto

Em Celorico de Basto, vale a pena visitar a Igreja de Santa Maria de Veade, um espaço religioso onde se destaca a cenografia barroca.E não perca a oportunidade de apreciar um belo Cabrito Assado.


Amarante

Se visitar Amarante, conheça a Igreja de Santo André de Telões, cujo interior tem um mural pintado que representa a cena da Natividade. Neste concelho não faltam doces afamados, como são exemplo os Foguetes, feitos à base de ovos-moles e amêndoa enrolados em hóstia.


Felgueiras

Se visitar Felgueiras aproveite para descobrir a Igreja de Santa Maria de Airães, monumento nacional desde 1977. Deliciosas durante todo o ano, mas com um sabor especial nas épocas festivas, as Cavacas de Margaride são sempre uma boa escolha para adoçar o dia.


Boa Páscoa!

Notícias

CETS defende mais cooperação e mais sensibilização na prevenção de doenças nos locais de trabalho

No Dia Mundial da Tuberculose, o Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa participou no webinar “Prevenção de doenças nos locais de trabalho: Da Silicose à Tuberculose”, promovido pela Autoridade para as Condições do Trabalho, através da Unidade Local de Penafiel. 

Na sessão, foram destacados os setores de atividade que apresentam maior risco e sinalizadas as medidas de prevenção a adotar para prevenir a doença e a sua propagação. Foi ainda debatido o futuro tecnológico e inovador da indústria extrativa e transformadora.

Na intervenção, o Presidente do CETS, Emídio Monteiro, referenciou os setores da Pedra e da Construção Civil como os de maior exposição e os municípios de Felgueiras, Marco de Canaveses e Penafiel, onde se verificam mais notificações de silicose (que potencia o aparecimento de Tuberculose). Salientou ainda a importância de mudar mentalidades na indústria, defendendo uma ação concertada entre as entidades locais e regionais para o progresso, a partilha e o fomento de conhecimento.

“A política estratégica do Conselho Empresarial passa pela promoção e apoio à concertação de esforços, à cooperação entre as diversas entidades locais e regionais. Cada organismo, com as suas valências próprias, tem um papel importante enquanto agente de promoção de conhecimento para os seus públicos. Unidos, ganhamos escala, conseguindo chegar a todos”, lembrou.

A título de exemplo das ações desenvolvidas pelo CETS, neste âmbito, lembrou a realização de ações de capacitação, muito direcionadas para a importância da inovação e readaptação de processos, e das ações de benchmarking do projeto Qualify&Brand On, em que os empresários tiveram oportunidade de conhecer exemplos muito concretos de sucesso e de boas-práticas a implementar.

“A indústria mudou, o futuro vai dando novas tecnologias, maquinaria e proteção que permitem diminuir a exposição à sílica, mas ainda é preciso mudar mentalidades na indústria. É necessário incentivar e continuar a apoiar as empresas, os seus empresários e colaboradores”, sublinhou ainda.