Notícias

FPME 2.0, FPME 2.0

FPME 2.0 | Empresa Basic Rules: “Com a ajuda deste projeto, estamos organizados”

A Basic Rules – Padelfiel é mais um dos casos de sucesso da intervenção feita pelo Projeto CETS de Formação-Ação ‘FPME2.0’.

O impacto positivo, que se estendeu desde o nível organizativo ao nível de comunicação e marketing, é reconhecido por Miguel Reisinho, sócio-gerente da empresa Basic Rules Padel, Unipessoal, Lda. (Padelfiel).

“O projeto de formação-ação foi importante para nós porque tivemos o apoio de profissionais em várias áreas, o que nos permitiu desde logo a determinação associatária e fiscal da empresa. Depois tivemos ajuda na definição do plano de negócios, assim como a criação de marca, logotipo, site, redes sociais e também a política de comunicação. Tudo isso foi importante”, destaca o empresário.

Os desafios inerentes à criação da empresa, que nasceu por vontade de três sócios ligados ao mundo do desporto, serviram de motivação à adesão no projeto.

“Somos do mundo do desporto mas a questão da gestão era nova para nós e isso obrigou-nos a procurar mais conhecimento”, lembra Miguel Reisinho. “Com a ajuda deste projeto, neste momento, estamos organizados, sólidos e estáveis. Sempre que temos ajuda de pessoas especializadas em áreas que nos ultrapassam, tem tudo para correr bem”, completa.

Sobre a empresa:

A Padelfiel abriu em abril de 2021, na Zona Industrial 2, em Penafiel. O clube tem seis campos – três dentro do pavilhão e outros três dentro de uma tenda – e está aberto durante toda a semana.

Veja o vídeo completo:

O FPME 2.0 É PROMOVIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL DO TÂMEGA E SOUSA, APOIADO PELA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL (AEP), SENDO COFINANCIADO PELO COMPETE 2020, PORTUGAL 2020 E UNIÃO EUROPEIA ATRAVÉS DO FUNDO SOCIAL EUROPEU
FPME 2.0, FPME 2.0

FPME 2.0 | Empresa Agrinemus: Projeto foi “muito determinante”

O Projeto de Formação-Ação CETS trabalha eficazmente o reforço de competências e a melhoria competitiva das empresas. Um dos exemplos de sucesso da intervenção é o da Agrinemus – Produtos Biológicos, Unipessoal, Lda, sediada em Castelo de Paiva.

“A presença do consultor, que veio ao abrigo de dois projetos de Formação-Ação, foi essencial para mim. Eu sabia que a parte da Comunicação e Marketing era uma deficiência de conhecimento e de competência”, salienta Liliana Pinto, gerente da empresa Agrinemus – Produtos Biológicos, Unipessoal, Lda, lembrando ainda que a adesão ao projeto surgiu com objetivo de desenvolvimento de competências e implementação de estratégias de logística, divulgação, comércio e vendas.

Em termos de resultados concretos: “Agora já temos destaque, quer nas redes sociais quer visibilidade no Google, e até mesmo na forma como se comunica o produto. A formação que eu tive ao abrigo da primeira formação-ação também foi determinante e continua a ser, porque a empresa cresce e tem de começar a procurar outras soluções”, afirma. 

Sobre a empresa:

A Agrinemus nasceu em 2008, na Quinta do Pinheiral, como um projeto de agricultura biológica, utilizando os princípios da agricultura biológica, saberes locais e sabedorias ancestrais.

O produção agrícola bio iniciou com a instalação de um pomar. Entretanto foi introduzida produção da semente de tremoço, cultivado na região onde se insere. Em 2010 deu-se início à transformação de produtos agrícolas em modo produção biológico, nomeadamente o tremoço pronto a consumir com ervas aromáticas e, posteriormente, picante.

Veja o vídeo completo:

O FPME 2.0 É PROMOVIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL DO TÂMEGA E SOUSA, APOIADO PELA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL (AEP), SENDO COFINANCIADO PELO COMPETE 2020, PORTUGAL 2020 E UNIÃO EUROPEIA ATRAVÉS DO FUNDO SOCIAL EUROPEU. 
Notícias

Jovens NEET participaram no bootcamp da JumpBox em Felgueiras

Durante os dias 26 a 30 de setembro, a Casa das Torres acolheu um bootcamp de capacitação da JUMP BOX, traduzida numa semana intensiva de trabalho com dez jovens. Esta edição em Felgueiras foi apoiada pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, pela Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico do Porto e pela Associação Empresarial de Felgueiras (apoio local).

A Jump Box é uma Academia gratuita para jovens ‘NEET’ (que não trabalham nem estudam), entre os 18 e os 35 anos. Durante a semana de participação é-lhes permitido experimentar uma série de ferramentas úteis à procura de emprego e/ou criação do próprio negócio com noção do risco, bem como melhorar conhecimentos em áreas como empreendedorismo, comunicação, marketing pessoal e digital.

O projeto é promovido pelo Instituto Empresarial do Tâmega, com o apoio da Portuspark, Fundação Manuel António da Mota, Associação Empresarial de Amarante e as incubadoras FeiraPark, Sanjotec e Regia Douro Park.

Notícias

Dia Mundial do Turismo 2022

Por ocasião do Dia Mundial do Turismo, que se assinala hoje, a Organização Mundial do Turismo (OMT) escolheu como tema “Repensar o Turismo” e desafia governos, empresas e comunidades locais a preparar um futuro melhor para este setor.

O Turismo, que foi fortemente penalizado nos últimos anos, encontra-se agora em recuperação e, mais do que nunca, é-lhe reconhecido um papel fulcral no impulso da recuperação económica de cada país. 

A OMT defende a necessidade de “colocar as pessoas e o planeta em primeiro lugar” e que, de forma partilhada, se crie “um setor mais sustentável, inclusivo e resiliente”.

Esta é a premissa também do Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, promovendo continuamente um trabalho de capacitação e qualificação, como é o caso das ações de formação em Inglês Técnico e Espanhol Técnico –  desenvolvidas em parceria com a Associação de Municípios do Vale do Sousa, através da Rota do Românico, e a Escola de Hotelaria e Turismo do Porto. Ou, o projeto de Formação-Ação CETS ‘Melhor Turismo 2020’ promovido com o apoio da CTP – Confederação do Turismo de Portugal, e que tem vindo a disponibilizar apoio à readaptação, consolidação e qualificação das PME’s do setor turístico, com consultoria personalizada e formação certificada.

Sabemos que é possível aumentar os índices de qualidade e estamos confiantes que juntos faremos a diferença na criação de valor no Turismo do Tâmega e Sousa.

O Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, 27.09.2022

Imagem: Município de Amarante

Notícias

‘Capacitar Turismo’ regressa no próximo trimestre

Estão abertas as inscrições para a ação  ‘Capacitar Turismo’ no Tâmega e Sousa, a qual disponibiliza formações em Inglês Técnico e Espanhol Técnico, destinadas a profissionais de Hotelaria, Restauração, Turismo e Lazer e cujo início está previsto para outubro de 2022.

A iniciativa,  a decorrer no Centro de Interpretação do Românico, tem como principais objetivos a qualificação dos profissionais do turismo e, consequentemente, a promoção de maiores índices de qualidade deste setor na região.

Estas ações de capacitação são promovidas pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, em parceria com a Associação de Municípios do Vale do Sousa, através da Rota do Românico, e a Escola de Hotelaria e Turismo do Porto. Inserem-se no Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, cofinanciado pelo Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu.

CRONOGRAMA

Notícias

Parceiros do projeto DigiBEST reuniram para preparar fase de implementação de ações

O DigiBEST – Digital Business EcoSystem Transformation, um projeto europeu na área da promoção da competitividade das PME através da sua transformação digital, chegou ao final da primeira fase, uma meta que motivou uma reunião presencial de parceiros, para apresentação de planos de ação futura. 

O Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, enquanto stakeholder do projeto, marcou presença nesta reunião que aconteceu em Itália, de 30 de junho a 1 de julho.

A conclusão da primeira fase do projeto, integralmente dedicada à partilha de experiências e boas práticas de digitalização nas empresas, acontece três anos após o seu início. A segunda fase do projeto, de implementação, terá início em agosto deste ano e estende-se a julho de 2023. 

Os planos apresentados na reunião visam a promoção da digitalização e competitividade das PME dos territórios abrangidos pelo projeto. Paralelamente, pretende-se responder aos constrangimentos já identificados por empresas e parceiros.

Este projeto, que integra seis países, é cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e pelo Governo da Noruega, através do programa INTERREG EUROPE.

Notícias

Formações em Inglês e Espanhol Técnico iniciam a partir de junho

O arranque das formações em Inglês Técnico e Espanhol Técnico, enquadradas na ação ‘Capacitar Turismo’ no Tâmega e Sousa está previsto para junho e setembro de 2022, respetivamente.

Estas formações são orientadas para profissionais das áreas de Hotelaria e Restauração e de Turismo e Lazer e são promovidas pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa em parceria com a Associação de Municípios do Vale do Sousa, através da Rota do Românico, e a Escola de Hotelaria e Turismo do Porto.

Local: Centro Interpretativo da Rota do Românico

CRONOGRAMA

Os objetivos da iniciativa centram-se na qualificação dos profissionais do turismo e, consequentemente, na promoção de maiores índices de qualidade deste setor na região.

As ações de capacitação inserem-se no Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, cofinanciado pelo Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu.

FPME 2.0, Notícias

FPME 2.0: ‘A formação e o repensar de competências e aptidões são absolutamente essenciais’

Sem as pessoas, o fator crítico para qualquer organização e, de uma forma mais ampla, para a estratégia de desenvolvimento da economia, da sociedade e dos territórios, não será possível trilhar um caminho para a recuperação que urge. 

Trata-se de um desafio que nos convoca a todos, em particular face a constrangimentos estruturais que temos pela frente, como é o caso da demografia e das assimetrias regionais que a mesma provoca. Por isso, considero fundamental o foco nas pessoas, na valorização das suas competências, no abrir de horizontes e de oportunidades, no despertar das vontades dos empreendedores e na sua capacitação para aspetos fundamentais para o sucesso empresarial. 

Neste quadro, a AEP defende que as estruturas de apoio às empresas, como são os Conselhos Empresariais Regionais, têm um papel fundamental, dada a/devido à sua capacidade de intervenção de proximidade nos territórios. Matérias como a formação, a (re)qualificação e o repensar de competências e aptidões para um mercado de trabalho em contínua transformação e com crescentes exigências, são absolutamente essenciais. 

Foi a pensar na capacitação destas estruturas e das empresas da respetiva região, por forma a contribuir para que os desafios que a economia e o país enfrentam possam ser superados com sucesso, que a AEP apostou no modelo de Formação-Ação, que contempla a aprendizagem em contexto organizacional, que mobiliza e internaliza competências com vista à persecução de resultados assentes numa estratégia de mudança empresarial e que tem obtido resultados francamente positivos, constituindo-se uma referência a nível nacional. 

Desta forma, e em parceria com as associações empresariais, como é o caso Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, promovemos intervenções que visam o reforço das qualificações de uma forma muito pragmática, através de ações que informam as empresas, por forma a assegurar ganhos efetivos de competitividade. 

Por todas estas caraterísticas e pela forma como se atua na valorização das pessoas, do seu espírito empreendedor e das suas competências, é importante que os sistemas de apoio públicos continuem a estar atentos a iniciativas como esta, face à demonstração da valia deste programa que, aliás, deveria ser replicada noutros domínios. 

Luís Miguel Ribeiro 

Presidente da Associação Empresarial de Portugal


O FPME 2.0 é promovido pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, apoiado pela Associação Empresarial de Portugal (AEP), sendo cofinanciado pelo Compete 2020, Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu. 
Notícias

CETS integra o Conselho Consultivo da ESTG

O Presidente do Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa (CETS), Emídio Monteiro, foi uma das individualidades que tomou posse como membro do Conselho Consultivo da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Politécnico do Porto (P.PORTO).

O órgão é constituído por 17 pessoas, sendo seis delas oriundas de entidades externas, como é o caso do CETS.

“É com grande satisfação que integro este órgão, em representação do CETS e por meio da relação que as nossas entidades têm firmado e das atividades desenvolvidas em parceria, as quais desejo que se estendam ao longo do tempo, com vista a projetos eficazes de desenvolvimento da região”, sublinha o presidente Emídio Monteiro.


Constituição do Conselho Consultivo da ESTG: 

Presidente: Dorabela Gamboa 

Presidente do Conselho Técnico-Científico: Amélia Carvalho

Presidente do Conselho Pedagógico: Teresa Barros

Presidente da Associação de Estudantes: Hugo Leal

Representante dos funcionários não docentes e não investigadores: Filipe Ferrás

Diretores dos Departamentos: Vítor Braga, Ricardo Santos, Ana Borges, Maria João Machado, Paulo Laranjeira.  

Representantes de organizações profissionais, de organizações empresariais e de outras instituições ou empresas, relacionadas com a atividade da ESTG:

Presidente da Câmara Municipal de Felgueiras: Nuno Fonseca

Presidente do Conselho Intermunicipal do Tâmega e Sousa: Pedro Machado

Presidente do Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa: Emídio Monteiro

Diretor Regional do Norte do IPDJ: Vitor Dias

Delegada Regional do Norte no IEFP: Carla do Vale

Presidente da AEP: Luís Miguel Ribeiro

Fotografia: ESTG

FPME 2.0, Notícias

FPME2.0: ‘Uma intervenção qualificante muito significativa do ponto de vista territorial’

O CESAE Digital, em parceria com o Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa (CETS) e através do Organismo Intermédio AEP, está a promover um projeto de consultoria formativa em 200 micros, pequenas e médias empresas. Este projeto assenta numa intervenção localizada nas empresas e dirigida a empresários e colaboradores em áreas de intervenção previamente identificadas e através de metodologias de planeamento de projetos por objetivos. 

Com esta intervenção pretende-se uma melhoria reorganizacional das empresas, das suas capacidades de gestão, do reforço das competências dos trabalhadores, apoiada na temática alvo de intervenção. 

O processo assenta num levantamento das necessidades formativas das empresas e o seu enquadramento nas temáticas alvo de intervenção – Economia Digital, Internacionalização; Gestão da Inovação, Implementação de Sistemas de Gestão (Qualidade, Ambiente, SST ou outros), Gestão Comercial e Marketing e Indústria 4.0. 

Na fase seguinte, e sempre nas instalações da empresa, decorrem as intervenções, consultoria – diagnóstico, implementação do plano de desenvolvimento das medidas, a avaliação e formação aos colaboradores da empresa nas áreas identificadas como relevantes para cada empresa. 

Os projetos são transversais. Todas as áreas económicas (CAE) são objeto de intervenção, pretendendo-se promover o aumento da produtividade das empresas e acrescer a sua capacidade competitiva. Ao nível dos trabalhadores, queremos aumentar a sua qualificação nos domínios a intervencionar e suscitar uma maior sensibilização para as alterações que os mercados impõem. 

Este projeto também promove, em termos globais da empresa, ações de dinamização e intercâmbio de boas práticas. 

A parceria com o Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa tem sido profícua e permitiu o envolvimento de empresas da Região Norte nos mais diversos setores de atividade económica, abrangendo 1200 trabalhadores e cerca de 100 consultores e formadores a intervir de forma ativa e contínua nas mesmas. 

Esta é uma intervenção qualificante muito significativa do ponto de vista territorial, com impactos empresariais significativos na melhoria dos contextos de trabalho e dos negócios associados e na qualificação dos seus ativos. 

Luís Manuel Ribeiro 

Presidente do Conselho de Administração do CESAE Digital

O FPME 2.0 é promovido pelo Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa, apoiado pela Associação Empresarial de Portugal (AEP), sendo cofinanciado pelo Compete 2020, Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu.